Wednesday, March 29, 2006

Deusa Virtual



Não existem fórmulas ou regras em meu palavreado...Meu versejar é livre da métrica que aprisiona as idéias.
Sutileza sim, faz parte desse quadro onde esquadro as sensações que brotam como olho d`água em terra árida.
Não quero uma silhueta virtual, não sou rascunho...sou original.
Mistério,feitiço...Anjo,
Lilith, senhora das trevas, todos abrigam a essência de luz
da mulher simples transfigurada em deusa no teu imaginário.


Vânia Moraes

Saturday, March 25, 2006

Irmãos...Pequemos!


Pecado

É tão difícil falar do pecado, sem imprimir um ar de ironia, quando vejo tantas pessoas com almas salvas, mergulhadas na hipocrisia, quando vejo tantos homens e mulheres castrados em seus desejos, contendo os lampejos, limitando suas necessidades físicas e emocionais.
Sim...Pecador, pecadora, são aqueles que fogem da sua essência animal, aquele que não caça sua fêmea, aquela que não fareja seu macho, aqueles que andam pé ante pé para não acordarem os sonhos luxuriosos que dormem em seus poros.
Pobres pecadores, mantendo-se presos nas cercas da opinião alheia.
Como é bom cravar o olhar nas formas do corpo, que se oferece em trejeito, num jeito sedutor na ânsia de viver as delícias do outro corpo.
Oh Pai...E a inquietude das mãos, como conter a inquietude das mãos, que correm sobre a pele desperta em arrepios, que buscam espaços inexplorados tocados ou não por tantas mãos, mas, que se portam como primeiras em terreno santo.
E o perfume natural, que embriaga de intenções não tão respeitosas, num bacanal de desejos inebriantes.
Quando vem dos lábios o sussurro, o inaudível que tudo diz. Esse som molhado no lóbulo da orelha, acende, atiça a labareda de todos os infernos contidos na carne santificada a arder em brasa...Derretendo-se em sumo, em sêmen, que a boca ávida bebe, que a língua elétrica lambe, que os lábios em sede louca chupa.
Ah...Como é bom pecar, ser carne a vibrar, ser sentido nos sentidos oferecidos pela natureza humana.


Vânia Moraes

Monday, March 20, 2006

No segredo do desejo sou caça e caçadora.
Presa de garras afiadas, altivamente abatida em tua cama.
Fera em busca da pele, do cheiro e do gosto.

Sunday, March 12, 2006

Alma Pagã




Percebo o quão é grande a submissão da alma,
perante o desejo pecaminoso dos sentidos exaltados do corpo,
dividindo a cama,
os lençóis,
e as delícias do amor profano.

A sensualidade dos gestos atordoa
e faz de um pedaço de carne um doce refúgio
rara mãos libidinosas que desenham carinhos na pele suada.

O sentido das palavras se perde,
ante inaudíveis sussurros.
Sucumbindo aos beijos gulosos
e ao poder da língua... aveludada em tom carmim.

Tão feroz é o desejo na lascividade sádica do prazer
que um rastro de fogo percorre no sangue,
queimando,
fazendo exalar do corpo a volúpia,
aniquilando por fim,
na expressão do gozo,
a sublimidade da alma.
E se eu tiver que ficar nu, hei de envolver-me em pura poesia, e dela farei minha casa, minha asa...loucura de cada dia - Vander Lee

Free JavaScripts provided
by The JavaScript Source