Thursday, November 16, 2006

PÁGINA EM BRANCO




Sentimentos castrados
são como filhos abortados,
pedaços mutilados de nós mesmos
jogado em esgotos, em abismos interiores.

Sonhos castrados...Fedem como os corpos putrefatos,
carne exposta ao tempo
que consome, que corrói fibra por fibra,
dissolvendo-os.

Poeta castrado é silêncio ensurdecedor,
é angústia pulsando feito tambor.

Poesia castrada é criação sem encanto.
Poesia castrada...EU...Esvaindo-me em sangue.
Poesia castrada...Vânia não mais Moraes...Página em branco.

By Vânia Moraes

Friday, November 10, 2006

ENCONTRO...LIAMES DO DESTINO





Nos liames do destino
te encontrei por acaso.
Sei que é quase um desatino
permanecer no teu caminho,
mas, ainda assim o faço.

Somos pedaços de vidas que se cruzaram,
que se embaralharam no carteado do tempo
onde a qualquer momento podem se perder.

Nos achamos no emaranhado
dos sentimentos confusos
e de fatos abstratos
no uso dos jogos verbais.

O sorriso cativante?
A inteligência?
O som inefável da voz imaginária?
quem sabe?

Caça e caçador.
Homem e mulher.

Desejo desejado
a mercê da sedução algoz
que no olhar não cabe mais.



By Vânia Moraes
Livro SAGRADO E PROFANO


Saturday, November 04, 2006

FEITO AMOR...






Feito amor...


O desejo lambe os olhos,
irradia a ânsia de tomar posse.
Flamejantes...luminosos
entorpecem os sentidos
com a embriaguês da volúpia...
centelha de paixão a arder
nos gestos incontidos.

A língua deita lambidas
por sobre a pele.
A saliva adentra os poros.
O cheiro dos sexos
aguça a libido.
Os seios arfantes bailam
na respiração ofegante.
O membro cresce na excitação irrefreável,
visionando o paraíso
com orgasmos livres e sem complexos.

À meia luz
reluz o suor
dos corpos que se dão
aos caprichos e as carícias
transfeitos em amor : convencional
oral
anal ...
Seja como for.



By Vânia Moraes
Livro O SAGRADO E PROFANO



Monday, October 09, 2006

SERVIDÃO




És tu Senhor...Aquele que traça a história de minha vida
em cada poro servido a ti.
Sou lascivo querubim em teu leito, desnudo,
com penas e asas queimando no fogo profano
consumindo tua cama.
Entrego-te a servidão de minha alma
no anseio que me faz vadia
em detrimento do teu prazer
entrelaçado no silêncio
de tua ordenança.
Gosto do jogo,
vergões em fogo,
tatuagem na pele suada,
simbiose de tortura e prazer
no banho que dás na fêmea oferecida
a beber o sangue, a beber o cio...
Pequeno córrego entre as pernas,
sinal sagrado da (im)perfeição humana.
Vânia Moraes

Tuesday, August 29, 2006

TUA DEVOÇÃO





Vem beber em minha boca
o meu desejo...sugar os meus beijos,
materializar nossas emoções.

Correr tuas mãos pelo meu corpo,
incansável...quase louco,
fazendo de mim tua devoção.



Vânia Moraes

Saturday, August 12, 2006

ÊXTASE E AGONIA EM PARALELAS





VL - Num êxtase frenético, percorres o meu corpo
rasgando as amarras.
Descobrindo,
sentindo,
sorvendo nos teus olhos…
o olhar de mulher em cio.

VL - Dentes aguçados, unhas como garras.
Sexo escorrendo,
peitos ávidos em que me delicio.

VL - Na minha boca o teu perfume,
no meu sexo a agonia
de quem palpita em êxtase,
gritos, gemidos, sinfonia
perfeita harmonia.

VM - Num êxtase frenético,
tuas mãos correm pelas paralelas
e transversais de meu corpo,
riscam figuras libidinosas na pele,
deixando todos os meus sentidos loucos.

VM - Sim...sou a mulher no cio,
sou fêmea caldeada...felina de quatro,
pronta ao ataque
ronronando sobre o tapete da sala.

VM - Sou carne quente que pulsa em tua boca,
sou cheiro e gosto que te enlouquece...
arrepios e respiração a dizer:
sou sexo...teu sexo...meu sexo...
sou sexo...meu sexo...teu sexo...
sexo...sexo...sexo...
Vânia Moraes e Vitor Lopes
Ao amigo e amado poeta Vitor Lopes
que de além-mar me encanta
com seus versos onde o verbo
se faz carne.



Wednesday, August 02, 2006

UM BRINDE...






Vem...
Façamos um brinde...rasga a seda...abre o champagne,
mata a minha sede.
Rega este falo imponente,
quero-o em minha boca...entre os dentes.

Quero beber nos teus poros...Cálice perfeito, para sorver teus desejos,
quero vê-los brotando em forma de suor,
misturando-se a espuma gelada que corre pela pele,
sobre os pêlos junto aos meus beijos.

Quero me embriagar de você.

Deixar tua mão atrevida adentrar em minha fenda
com toques de possessão,
tateando os contornos
como homem acometido de cegueira,
e, senti-la inundada no anseio que cresce,
na fêmea que umedece.

Revelar nesta entrega
o anverso e o reverso das rimas
e versos dos meus gemidos
em tua orelha molhada.

Um brinde...Para atravessarmos a madrugada
cedendo aos impulsos carneos e além das horas
de sermos sentimentos
esculpidos em poros ...obra de arte
que arde no desejo abstrato
que deixa marcas concretas.

Brindemos!

By Vânia Moraes


E se eu tiver que ficar nu, hei de envolver-me em pura poesia, e dela farei minha casa, minha asa...loucura de cada dia - Vander Lee

Free JavaScripts provided
by The JavaScript Source